Câncer de parótidas – Diagnóstico e Tratamento

Um caroço ou nódulo persistente perto do ouvido pode levantar a suspeita de câncer de parótida. A boa notícia é que cerca de 80% dos casos de nódulos de parótida são considerados benignos! Para saber mais sobre esse assunto fique comigo na leitura desse post.

O câncer de parótidas é raro e possui bom prognóstico quando diagnosticado em estágio inicial. Mas você sabe o que são as parótidas e quais são os sinais de alerta de que algo pode estar errado? Conhecer o nosso corpo é essencial para identificarmos sinais de mudanças e buscarmos ajuda médica especializada, então vamos aprender mais sobre as parótidas.

As parótidas são duas glândulas salivares localizadas na face, próximas à região das orelhas (uma em cada lado da face). Sua função é secretar saliva, auxiliando na mastigação e deglutição dos alimentos, dando início ao processo de digestão. Cerca de 25% do nosso volume total de saliva é produzido nas parótidas.

Como mencionei acima, o câncer de parótida é raro. Na maioria das vezes é possível identificá-lo durante exames de rotina ou até mesmo na ida ao dentista, onde podem ser observadas alterações na boca do paciente.

Vale à pena salientar que, embora os tumores possam ser benignos ou malignos, o mais comum é o adenoma pleomórfico, um tipo de tumor benigno.

Por sua vez, os tumores malignos têm um processo de crescimento mais acentuado, são maiores e desenvolvem nódulos disformes. O câncer de parótidas mais comum é o chamado carcinoma mucoepidermoide e oferece o risco de metástase para os gânglios linfáticos.

Afinal, quais são os sintomas do câncer de parótidas?

Os principais sintomas que podem indicar a presença do câncer de parótidas incluem:

Inchaço ou nódulo na boca, pescoço ou perto do maxilar;

Formigamento ou dormência no rosto;

Sensação de fraqueza em um lado do rosto;

Dificuldade para engolir;

Dor constante em algum local da boca;

Dificuldade para abrir a boca completamente.

Identificado um ou alguns dos sintomas acima é recomendado se consultar com um cirurgião de cabeça e pescoço. Esse profissional poderá solicitar exames de diagnóstico, como ressonância magnética, tomografia computadorizada e biópsia com o intuito de diagnosticar o problema e iniciar o tratamento, caso necessário.

O câncer nas glândulas salivares é provocado por mutações no DNA das células da boca, que se multiplicam de forma desregulada e levam ao surgimento do tumor. Apesar das causas dessas mutações ainda não serem conhecidas, existem alguns fatores de risco que podem aumentar ligeiramente a probabilidade do surgimento do câncer de parótidas.

Entre esses fatores estão o tabagismo, consumo de bebidas alcóolicas, exposição frequente a certas substâncias químicas ou também infecção pelo vírus Epstein-Barr, por exemplo.

Evitar o excesso desses hábitos e manter hábitos saudáveis contribui para uma melhor qualidade de vida e tem o potencial de prevenir outras enfermidades.

Como é feito o diagnóstico de tumores nas glândulas parótidas

O diagnóstico de tumor nas parótidas deve ser feito a partir de avaliação clínica e laboratorial.

Exames de imagem, como a tomografia computadorizada, radiografia ou ressonância magnética são usados para avaliar a extensão do tumor. Também pode ser indicada a realização de ultrassonografia para diferenciar o tumor das glândulas salivares de processos inflamatórios e de outros tipos de câncer.

Os exames também são importantes para caracterização da lesão e programação do tratamento. Muitas vezes o diagnóstico histológico é realizado com a análise do espécime cirúrgico já ressecado pelo cirurgião.

A análise do tecido permite determinar se o tumor é benigno ou maligno (câncer de parótida). A obtenção do material poderá ser realizada através da PAAF ((punção aspirativa por agulha fina) ou biópsia com agulha grossa guiada por ultrassom.

Tratamento do câncer de parótidas

O tratamento do câncer de parótidas deve ser iniciado o mais rápido possível após o diagnóstico. O cirurgião de cabeça e pescoço avaliará a melhor via de tratamento, considerando o tipo de câncer e as necessidades individuais do paciente.

O tratamento do câncer de parótidas pode envolver:

  • Cirurgia: é o tratamento mais utilizado e serve para remover o máximo do tumor possível. Dessa forma pode ser necessário retirar apenas uma porção da glândula ou retirar a glândula completa, assim como outras estruturas que possam estar infectadas;

  • Radioterapia: é feita com uma máquina que aponta radiação para as células cancerígenas, destruindo-as e reduzindo o tamanho do câncer;

  • Quimioterapia: consiste na injeção de químicos diretamente no sangue que eliminam células que se desenvolvem muito rápido, como as células tumorais, por exemplo.

As formas de tratamento do câncer de parótidas podem ser utilizadas isoladamente ou em conjunto. A radioterapia e a quimioterapia são comumente indicadas após o procedimento cirúrgico para eliminar células cancerígenas que podem não ter sido completamente removidas na cirurgia.

Nos casos mais graves, onde é necessário retirar mais que a glândula salivar, o médico pode recomendar que o paciente faça uma cirurgia plástica. Essa cirurgia terá a finalidade de reconstruir as estruturas removidas, não apenas melhorando o aspecto estético, como também facilitando que o paciente engula, fale e mastigue.

Um dos sintomas mais comuns durante o tratamento do câncer de parótidas é o sentimento de boca seca. Porém este problema pode ser aliviado com alguns cuidados diários incluindo escovar os dentes várias vezes por dia, beber 2 litros de água ao longo do dia, evitar comidas muito picantes e dar preferência para alimentos ricos em água, como a melancia, por exemplo.

A melhor forma de prevenir problemas de saúde é levar uma vida saudável, ativa e limitando o uso de substâncias como álcool e tabaco. E se você identificou a presença de um ou alguns dos sintomas descritos aqui, busque ajuda de um cirurgião de cabeça e pescoço de sua confiança.

Agende uma Consulta

Muito prazer, eu sou o Dr. Marcelo Schalch, Cirurgião de Cabeça e Pescoço e especialista em cirurgia de tireoide, tumores benignos e cânceres na região da cabeça e do pescoço.

Quero te ajudar a recuperar sua saúde. Trabalharei com você para escolher a melhor opção para o seu caso específico, buscando soluções seguras e minimamente invasivas.